A ‘Geração do Milênio’ admite que os smartphones estão minando sua felicidade — Mundo Nativo Digital


Sim, a Millennials (a Geração do Milênio) é viciada em usar smartphones, e ela não está feliz com isso. Nove em cada dez Millennials (pessoas com idade entre 18 a 24 anos) verificam seus telefones pelo menos uma vez por hora, se não “constantemente”, de acordo com os resultados de um relatório de tendências de […]

via A ‘Geração do Milênio’ admite que os smartphones estão minando sua felicidade — Mundo Nativo Digital

Paulo Francis denunciou a corrupção na Petrobrás em 1997


paulo_francis

Em inícios de 1997, no programa Manhattan Connection do qual participava transmitido pelo canal por assinatura GNT, Francis propôs a privatização da Petrobras e acusou os diretores da estatal de possuírem US$50 milhões em contas na Suíça – acusação pela qual foi processado na justiça norte-americana, sob alegação da Petrobras de que o programa seria transmitido nos Estados Unidos para assinantes brasileiros de TV por assinatura.

Como Paulo Francis acusou sem provas, tinha a certeza que seria condenado e pagaria indenização milionária aos diretores da Petrobras. Com a iminência do processo milionário, Francis sofre estresse profundo.

Francis acabou por morrer de um ataque cardíaco, diagnosticado, em seus primeiros sintomas, como uma simples bursite. Era casado com a jornalista e escritora Sonia Nolasco, com quem viveu por mais de vinte anos. Seu corpo embalsamado foi trasladado de Nova Iorque para o Rio de Janeiro e enterrado no jazigo familiar do Cemitério de São João Batista.


5dd25c33afe7fe5dfd7d62b23b51925e

O filme que estreia nesta quinta-feira (24) trará uma batalha que tem deixado muitas pessoas com uma pulga atrás da orelha: mas por que os dois até então companheiros, saem na porrada ? Primeiro, é preciso deixar claro que Batman Vs Superman é inspirado (não baseado) parcialmente pela clássica HQ – “O Cavaleiro das Trevas“, de 1986, de Frank Miller. Nessa trama, vemos um Batman envelhecido, após 10 anos de anunciar a sua aposentadoria. A maioria dos heróis também se aposentaram em comum acordo selado por eles, porém, apenas o Homem de Aço continua na ativa, só que ele é praticamente um fantoche nas mãos do governo.

Fazendo jus a fama de “bom moço”, o herói da capa vermelha é enviado à Gotham, a mando de Lex Luthor (presidente dos Estados Unidos na HQ)- com intenções ainda desconhecidas por parte do vilão – quando fica sabendo que o Homem-Morcego retornou de sua aposentadoria e que estaria desrespeitando os direitos humanos durante o combate à criminalidade em Gotham; que saiu do controle e atingiu níveis alarmantes. Luthor tem um papel tão importante na película quanto na HQ de Frank Miller, mesmo não sendo o presidente do país nesta versão do diretor Zack Snyder.

A partir daí, os dois heróis chegam a um impasse, já que Superman quer que Batman seja mais pacífico na luta contra os criminosos de Gotham, mas o Cavaleiro das Trevas não gosta nem um pouquinho disso. O que muda em relação aos quadrinhos é que o herói já chega quebrando tudo e destruindo o Batmóvel com apenas um soco.

cavaleiro-das-trevas-batman-vs-superman-by-miller-550x438

O mais curioso é que a maioria das pessoas esperavam que Batman iniciasse o confronto, dada sua natureza mais “esquentadinha” ou até que a destruição de Metrópolis seria um dos motivos para que ele perseguisse Superman. Daí a trama se desenrola e surgem imprevistos e desenrolares parecidos com os da obra de Frank Miller, com a adesão de personagens e motivações políticas na história, que conta com um fim que introduz a Liga da Justiça, já anunciada para 2017.

O filme estreia nesta quinta-feira, 24 de março de 2016, com  Ben Affleck (Batman), Henry Cavill (Superman)Gal Gadot (Mulher-Maravilha), Jason Momoa (Aquaman), Ezra Miller (Flash), Amy Adams (Lois Lane), Lawrence Fishburne (Perry White), Ray Fisher (Ciborgue) e Jeremy Irons (Mordomo Alfred).

Para conferir a crítica do filme sem SPOILERS, feita pelo site Omelete, clique no vídeo abaixo: 

Por que odiamos tanto no Brasil ?

Por que odiamos tanto no Brasil ?

Você já sentiu muito ódio ? Perguntar isso a um cidadão brasileiro pode parecer até ofensa, já que nos auto-intitulamos “alegres, receptivos” mas há uma estranha ironia na linha tênue entre o simpático brasileiro e a sua raiva.

Vamos ver neste artigo o por quê de sermos uma sociedade com propensão ao ódio.

Diferente do que Sérgio Buarque de Holanda dizia, o brasileiro talvez não seja cordial !? Segundo o historiador Leandro Karnal,  a ideia do brasileiro como um povo hospitaleiro, avesso aos rituais e, ao contrário dos europeus e norte-americanos, não se apega ao nome de família, se apresentando pelo primeiro nome com naturalidade.

Ele (Sérgio Buarque de Holanda) insiste cor, córdis, coração do latim

Significando que agimos pelo coração, passionalmente, inclusive ao odiarmos. Nosso ódio seria portanto, cordial. Karnal atribui essa visão ao paradigma de época, onde Sérgio Buarque via a ascensão do nazi-fascismo europeu e o Brasil parecia uma ilha de tranquilidade.

Porém, mesmo indicando uma interpretação equivocada do que significaria “cordial” na obra do historiador brasileiro citado, Karnal lembra episódios cruéis, como a morte de Zumbi do palmares, e outros inúmeros exemplos de horror que ele diz ser facilmente classificado como uma guerra civil no Brasil, com risco de “haitianismo”, e que por termos uma formação cristã, negamos. Sempre transferido para o outro a responsabilidade pelo inferno violento de ódio genuíno no qual nos encontramos (esse sentimento de culpar o alheio também vem na parte política, quando não assumimos sermos parte de uma sociedade, dita por nós, como hipócrita e corrupta)

Na repressão do século XVII ao quilombo dos palmares. Ao fato de que quando se mata Zumbi de forma tão infame. Ou seja, se mata inclusive costurando seu pênis dentro da boca. Manifestando um ódio violento profundo.

Em 30 anos, tivemos um crescimento de cerca de 502% na taxa de homicídios no Brasil. Só em 2012 os homicídios cresceram 8%. A maior parte dos comentários raivosos que se lê e se ouve prega que para resolver esse problema devemos empregar mais violência. Se você não concorda “deve adotar um bandido”. Não existe a possibilidade de ser contra o bandido e contra a violência ao mesmo tempo.

Ele desconstrói todas as formas de preconceitos e soluções fáceis. O preconceito contra o sertão, nordestinos, cariocas, cidade grande etc. Critica o politicamente correto, mas defende que as piadas sejam sobre os poderosos. Não inocenta nem mesmo as crianças. Critica a classe política. A violência do trânsito. A ideia de que a violência é culpa da mídia. Ou da educação dos pais. Critica o casamento, democracia, o machismo, as religiões e uma afeição natural do homem pela violência.

Não é a toa que em sala de aula faz tanto sucesso dar uma aula sobre Hitler. E os alunos particamente ignoram quem foi Adenauer. O homem que salvou, democraticamente, a Alemanha no pós-guerra.

Esse exemplo sobre as aulas de Hitler são um soco no estômago humano, pois realmente eram interessantes, muito aguardadas, sem falar quando tínhamos aulas detalhadas sobre guerras/conflitos.

Também tratou da violência das lutas, e da estranhíssima relação que temos com elas como entretenimento. Nosso resistência ao bem, ao pacifismo é contrastada à admiração que depositamos por anos a notícias violentas. Dessa conclusão deixou de lado os japoneses. Atacou a Finlândia, Suécia, como exemplos de utopias sem violência, ao apontar suas mazelas, como o alto índice de suicídio infantil.

Karnal aponta como um dos grandes desafios da educação a libertação dos professores aos seus preconceitos.

Nós acreditamos que vivemos em uma sociedade pacífica cercados por pessoas violentas.

Um estudo diz que relações de amor e ódio no trabalho fazem bem, ou seja, um equilíbrio: http://gq.globo.com/Prazeres/Poder/noticia/2015/01/relacoes-de-amor-e-odio-no-trabalho-podem-te-fazer-bem-diz-estudo.html

Colaboração: http://blog.brasilacademico.com/2015/09/o-odio-no-brasil-leandro-karnal.html

Jair Bolsonaro e a Idolatria de Políticos

Jair Bolsonaro e a Idolatria de Políticos

Mesmo se Bolsonaro fosse libertário, ou sequer liberal (não é), mesmo se fosse a solução para o Brasil (não é), ainda representaria um enorme problema: a manutenção da cultura de idolatria a políticos.

Políticos causam problemas, vivem de renda roubada através de impostos, controlam nossas vidas e são um serviço inteiramente desnecessário e inerentemente prejudicial a todos, exceto os políticos e seus associados.

Mesmo que Bolsonaro esteja cheio de boas intenções, mas está fazendo a pior coisa possível: reavivar a chama da fé na política. Enquanto tivermos a cultura de esperar que políticos resolvam problemas, de acreditar que o planejamento central por supostos gênios iluminados é a ponte para o futuro, encontraremos sucessivamente novos Lulas, novas Dilmas, novos Getúlios, novas ditaduras.

O que o Brasileiro precisa desesperadamente precisa entender é que quem melhora nossas vidas é o empreendedor, o trabalhador e o inventor.

Quem enriquece sua vida e a torna melhor é a enorme quantidade de empreendedores que acorda todos os dias para produzir o que eles esperam sinceramente que seja o que você mais quer, e que você compre voluntariamente seus produtos.

E qual o papel de políticos nisso? Estritamente nenhum.

Se um político apresentar uma plataforma de não intervenção e liberdade do mando e desmando do governo, este político não merece nenhum elogio, afinal está fazendo apenas o absoluto mínimo que deve ser exigido de qualquer humano decente.

Por Rafael Hide.

Antonio Candido indica 10 livros para conhecer o Brasil

Antonio Candido indica 10 livros para conhecer o Brasil

Blog da Boitempo

13.05.17_Antonio Candido_10 livros para conhecer o BrasilPor Antonio Candido.*

Quando nos pedem para indicar um número muito limitado de livros importantes para conhecer o Brasil, oscilamos entre dois extremos possíveis: de um lado, tentar uma lista dos melhores, os que no consenso geral se situam acima dos demais; de outro lado, indicar os que nos agradam e, por isso, dependem sobretudo do nosso arbítrio e das nossas limitações. Ficarei mais perto da segunda hipótese.

Como sabemos, o efeito de um livro sobre nós, mesmo no que se refere à simples informação, depende de muita coisa além do valor que ele possa ter. Depende do momento da vida em que o lemos, do grau do nosso conhecimento, da finalidade que temos pela frente. Para quem pouco leu e pouco sabe, um compêndio de ginásio pode ser a fonte reveladora. Para quem sabe muito, um livro importante não passa de chuva no molhado. Além disso, há as afinidades…

Ver o post original 2.025 mais palavras


whiskey

Seja Jack Daniel, Jim Beam, ou Fireball, é difícil encontrar quem resista a uma dose desses grandes companheiros. Na verdade, com a demanda por uísque superando em muito a sua oferta nos últimos anos, está se tornando cada vez mais comum ver pessoas apreciando uma dose de sua marca favorita.

É este o problema com a bebida, pensei, enquanto me servia dum copo. Se acontece algo de mau, bebe-se para esquecer; se acontece algo de bom,bebe-se para celebrar, e se nada acontece, bebe-se para que aconteça qualquer coisa.

Charles Bukowski

Ok, Bukowski, vamos com calma, não dá para passar a beber uísque todo dia, afinal, tudo que é consumido com exagero, torna-se ruim, no caso de uma bebida alcoólica, ainda mais. Mas a boa notícia, é que de acordo com o site Organic Facts, há alguns benefícios em tomar algumas doses. Conheça-os:

1. Ela ajuda a evitar ganho de peso

Em comparação com diversas bebidas mistas e cervejas, o uísque, é o que tem menor teor calórico. Se a sua preocupação é com a temida barriga de cerveja, opte por uma dose de Jack.

2. Promove a saúde do coração

Junto com cervejas escuras e vinho, o uísque é uma das únicas outras bebidas, que podem propiciar o benefício de manter o coração saudável. Os antioxidantes que estão no uísque, podem ajudar a reduzir o risco de um ataque cardíaco, diminuindo o colesterol ruim, e até mesmo aumentar o colesterol bom.

3. Prevenção do câncer

Whiskey é dito ser rico em antioxidantes, particularmente um, chamado ácido elágico. Este produto químico é conhecido por ajudar a prevenir que o DNA do seu corpo, entre em contato com agentes cancerígenos. E também é conhecido por ajudar a proteger o corpo, contra os efeitos da quimioterapia.

4. Além disso, melhora a saúde do cérebro

Estudos têm demonstrado, que o consumo de uma pequena dose moderada de uísque, pode reduzir o risco de doença de Alzheimer e demência. Embora, beber muito, possa aumentar o risco, por isso, se você está pensando em testar este método em si mesmo, certifique-se de moderar!

5. Ele reduz o risco de acidente vascular cerebral

O uísque evita acumulação de colesterol, e também ajuda a reduzir o colesterol ruim, que reduz o risco de acidente vascular cerebral. Ele também ajuda a relaxar as paredes das artérias, e promove o fluxo sanguíneo.
6. Ajuda a reduzir o estresse

Como muitos fãs de uísque já sabem, uma bebida forte pode ser o que você precisa para acalmar seus nervos e aliviar o estresse. Tendo como benefício, ajudar com a circulação, pode fazer você se sentir como uma nova pessoa depois de um dia difícil.

7. Ele aumenta a sua memória

Os mesmos benefícios de saúde, que ajudam com a prevenção da doença de Alzheimer, também aumentam a sua memória. Whiskey melhora a circulação, certificando-se de que seu cérebro fique cheio de sangue e permaneça em forma.

8. Ele ajuda na digestão

Você sabia, que o uísque tem sido muito utilizado como uma forma de ajuda para digestão? Ele pode ajudar a reduzir o apetite depois de uma refeição, impedindo-te de comer demais, e ajudando a evitar dores de estômago ou indigestão.

9. Prolonga seu tempo de vida

O uísque é repleto de antioxidantes e nutrientes, que podem ajudar seu sistema imunológico, e prevenir o seu corpo de contrair doenças. Ele também pode ajudar, a prevenir o colapso lento de células importantes no seu corpo, assim prolongando sua vida útil!

10. É seguro para diabéticos

O uísque, possui baixo teor de açúcar e carboidratos, é a bebida perfeita se você sofre de diabetes. Você pode desfrutar de uma boa bebida, e não precisa se preocupar com a sua taxa de açúcar no sangue.

É inegável que uma boa bebida, pode trazer um prazer imenso, no entanto, não podemos permitir que isso torne-se um vício, ou que passe a atrapalhar nossa saúde, por isso, é sempre bom lembrar que devemos buscar uma vida em equilíbrio.
Tirado de: http://www.equilibrioemvida.com/2015/10/10-surpreendentes-beneficios-do-whiskey/#ixzz40uJq4Nmj